28 de abril: Maratona da Europa em Aveiro





Este evento é um projeto internacional que nasceu em Aveiro, uma das mais belas das cidades de Portugal.

A primeira edição será no dia 28 de abril de 2019, começando por volta das 8h30, com o objetivo de afirmar-se como a maratona mais rápida de Portugal, num cenário de cortar a respiração, entre as fascinantes ruas e canais da cidade de Aveiro, a “Veneza portuguesa”, e a maravilhosa Ria de Aveiro.

Os 42 km são, naturalmente, a prova grandiosa, aquela que pretende afirmar e identificar Aveiro no panorama no mundo do atletismo de estrada, mas existirão outras possibilidades de participação de desporto, nas distâncias de 21 e 10 km, e ainda uma caminhada solidária de 5 km.

Os Escoteiros o grupo 249, de Eixo, ajudaram neste evento, fazendo parte do staff.

Para se inscrever na caminhada solidária, clique aqui:

Autoras: Bruna Semedo, 5ºF, Filipa Fernandes, 5ºG, Clube de Jornalismo

25 de abril: Dia da Liberdade



     O Dia da Liberdade, também conhecido por Revolução dos Cravos, é celebrado em Portugal no dia 25 de abril.

            Este feriado comemora a revolução dos militares portugueses que, a 25 de abril de 1974, puseram fim ao regime ditatorial do Estado Novo, dirigido por António de Oliveira Salazar, que liderou Portugal desde 1933 até 1968. O regime prolongou-se após a sua morte. Quem o substituiu foi o Professor Marcelo Caetano que suavizou um pouco a ditadura e por esse motivo, este período ficou conhecido pela designação de "Primavera Marcelista". Contudo, manteve as suas principais características: proibição de partidos políticos, exceto a União Nacional, que suportava o regime, censura em todas as áreas de atividade, polícia política (PIDE/DGS) muito repressiva, manutenção das colónias em África através de uma guerra colonial, analfabetismo generalizado a uma grande parte da população, etc.
            O Estado Novo foi o regime político autoritário autocrata e corporativista de Estado que prevaleceu em Portugal durante 41 anos sem interrupção, desde a aprovação da Constituição de 1933 até ao seu fim pela Revolução de 25 de abril de 1974.
            Os militares conseguiram implantar o regime democrático e instaurar a nova Constituição Portuguesa, 2 anos depois. O símbolo deste dia é o cravo, a flor que o povo introduziu nas armas dos soldados aquando da revolução.           
            Desta maneira, esta data é reconhecida como sendo um feriado nacional, que recorda a importância da liberdade no país.

            Trabalho realizado por: Alice Furtado, Nuno Silva e Rodrigo Gonçalves, 5ºJ
                Fontes do texto: https://bit.ly/2YqE8kL ;   https://bit.ly/2RBtjsp              
Fonte da imagem: https://bit.ly/2FuyjKv

23 de abril: Dia Mundial do livro e dos Direitos de Autor



No dia 23 de abril, comemora-se o Dia Mundial do livro e dos Direitos de Autor.

Objetivo da data

O objetivo desta data é reconhecer a importância de ler livros, e informar que não se pode copiar algum texto sem colocar a fonte da página da internet, do livro ou jornal de onde foi retirado o excerto que foi utilizado para o trabalho.

Ler é essencial, pois quem lê, seja criança ou adulto, enriquece o seu vocabulário e as suas ideias. Ler permite desenvolver a sua capacidade de comunicação oral e escrita. Possibilita abrir horizontes, sonhar, viajar…

De facto, os livros são um importante meio de comunicação, de transmissão de saberes, cultura e de informação.

Atividades
Neste dia, em algumas livrarias, associações culturais, escolas, organizações e universidades fazem-se atividades como vender livros com descontos ou apresentar peças de teatro.

Origem da data
A UNESCO estabeleceu, em 1995, o Dia Mundial do Livro e dos direitos de autor. A data foi selecionada por ser um dia importante para a literatura mundial. No dia 23 de abril de 1616, faleceu Miguel de Cervantes, um dos maiores escritores espanhóis, e nesse mesmo dia do ano de 1899, nasceu Vladimir Nabokov, um grande escritor russo. Este dia é também relembrado como o dia em que nasceu e morreu o famoso escritor inglês William Shakespeare.

Este dia ainda para chamar a atenção para a importância do livro como bem cultural, essencial para o desenvolvimento da literacia e para o desenvolvimento económico.

Os livros mais importantes 
Deixamos aqui uma lista de alguns dos livros mais famosos em Portugal e no mundo:
  • A Odisseia, Homero (Grécia, séc. VIII a.C.);
  • A Ilíada, Homero (Grécia, séc. VIII a.C.);
  • Édipo Rei, Sófocles (Grécia, séc. V a.C.);
  • A Bíblia (sem data);
  • A Eneida, Virgílio (Roma, séc. I a.C.);
  • As Mil e Uma Noites (Médio Oriente e sul da Ásia, séc. IX);
  • A Divina Comédia, Dante Alighieri (Itália, séc. XIV);
  • Romeu e Julieta, William Shakespeare (Inglaterra, séc. XVI);
  • Hamlet, William Shakespeare (Inglaterra, séc. XVII);
  • Os Lusíadas, Luís de Camões (Portugal, séc. XVI);
  • Dom Quixote, Miguel de Cervantes (Espanha, séc. XVII);
  • As viagens de Gulliver, Jonathan Swift (EUA, séc. XVIII);
  • Os Três Mosqueteiros, Alexandre Dumas (França, séc. XIX);
  • Os Miseráveis, Victor Hugo (França, Séc. XIX);
  • Oliver Twist, Charles Dickens (Inglaterra, séc. XIX);
  • As Aventuras de Tom Sawyer, Mark Twain (EUA, séc. XIX);
  • Crime e Castigo, Fiódor Dostoiévski (Rússia, séc. XIX);
  • Guerra e Paz, Lev Tolstói (Rússia, séc. XIX);
  • Os Maias, Eça de Queirós (Portugal, séc. XIX);
  • Lolita, Vladimir Nabokov (Rússia, séc. XX);
  • O Livro do Desassossego, Bernardo Soares/Fernando Pessoa (Portugal, séc. XX);
  • As vinhas da ira, John Steinbeck (EUA, séc. XX);
  • 1984, George Orwell (Inglaterra, séc. XX);
  • O Velho e o Mar, Ernest Hemingway (EUA, séc. XX);
  • O Grande Gatsby, F. Scott Fitzgerald (EUA, séc. XX);
  • O processo, Franz Kafka (República Checa, séc. XIX-XX);
  • O Som e a Fúria, William Faulkner (EUA, séc. XX);
  • A Montanha Mágica, Thomas Mann (Alemanha, séc. XX);
  • O Principezinho, Antoine de Saint-Exupéry (França, séc. XX);
  • Cem anos de solidão, Gabriel Garcia Márquez (Colômbia, séc. XX);
  • Grande Sertão Veredas, Guimarães Rosa (Brasil, séc. XX);
  • Memorial do Convento, José Saramago (Portugal, séc. XX).


Texto: Favour Ofoegbu, 5ºG, e Sofia Fernandes, 5ºI, Clube de Jornalismo
Webgrafia: https://bit.ly/2v7yzKR ; https://bit.ly/2FZ8a6E


Páscoa



A Páscoa celebra-se, este ano, no dia 21 de abril, sendo um feriado religioso móvel, que se comemora quarenta dias após o Carnaval, e sempre a um domingo.

Trata-se de uma celebração religiosa que lembra a ressurreição de Jesus Cristo. Realmente, de acordo com a Bíblia, após a crucificação de Cristo, na Sexta-Feira Santa, Cristo ressuscitou ao terceiro dia após a sua morte.

Este acontecimento é um momento de reflexão, em homenagem à vida e à morte de Cristo, de agradecimento e glorificação do seu sofrimento.

Por estes motivos, a Páscoa é celebrada em família sendo um momento de paz, alegria e confraternização.

Em Portugal, a população católica recebe em sua casa a visita do “compasso pascal” no Domingo de Páscoa. O “compasso” é composto por um grupo de católicos, que percorrem as ruas com uma cruz e um pequeno sino para anunciar a sua chegada. Quando convidados, entram nas casas, benzem a casa e os seus moradores, e anunciam a ressurreição de Jesus Cristo.


As comidas típicas da Páscoa são: como prato principal, o cabrito assado ou ensopado, o leitão assado… À sobremesa, pão de ló, folar… e ainda, para adoçar a boca, as amêndoas cobertas de açúcar e os ovos de chocolate.



Texto: Ana Leonor Pais e Rosalina Capingano Braga, 5ºI, Clube de Jornalismo
Webgrafia (imagem): https://bit.ly/2Icnn8e ; https://bit.ly/2Id1PZ6 























27 de março: Dia Mundial do Teatro



O Dia Mundial do Teatro é celebrado no dia 27 de março.
Anualmente para se comemorar esta data, são oferecidos espetáculos teatrais gratuitos. O objetivo desta data é promover a arte do teatro junto das pessoas.

Existem vários tipos de teatro: a comédia, o drama, a tragédia, a tragicomédia, o melodrama, a farsa, a revista, o teatro infantil e muitos mais, que todos podem experimentar.





Breve história

O teatro teve a sua origem na Grécia no século VI a.C. A ideia veio das festas tradicionais em honra de Baco, deus do vinho, do teatro e da fertilidade. Estas festas eram rituais sagrados, procissões e recitais, que aconteciam uma vez por ano na altura da primavera, a época da recolha das uvas (para fazer vinho). O homem que descobriu o teatro fingindo ser um deus chamava-se Téspis, o primeiro ator ocidental.



O maior dramaturgo (autor de peças de teatro) de todos os tempos foi William Shakespeare, poeta, dramaturgo e ator inglês, considerado o maior escritor do idioma inglês. Das suas obras, chegaram até aos dias de hoje 38 peças de teatro, 154 sonetos e outras obras.


O teatro português começou com Gil Vicente (séc. XVI), um dos nomes mais conhecidos do teatro português e espanhol. Foi autor de algumas obras célebres como Auto da Barca do Inferno e Auto da Índia, que ainda hoje são apresentadas ao público em salas portuguesas e estrangeiras, devido à sua forte crítica social e ao efeito cómico, e continuam a fazer rir o público, apesar de terem sido escritas há 500 anos!


“O teatro é uma forma de entender os outros  
e o mundo que me rodeia”


Entrevista com a professora de teatro Ana Salgueiro

Aproveitando a celebração deste Dia, o Jornal Moliceiro foi entrevistar a professora de teatro da escola de música Musa, Ana Salgueiro, que começou a fazer teatro em 1986 no GRETUA (Grupo Experimental de Teatro da Universidade de Aveiro).

Qual é para si a importância do teatro?                                                              
Fundamental na minha vida, como uma atividade de aprendizagem das minhas capacidades e como a forma de entender os outros e o mundo que me rodeia, ao mesmo tempo que me divirto.

Quais foi a peça que mais a marcou?                                                                      
“O café”, escrita pelo alemão Fassbinder, e levada à cena pelo GRETUA, em 1989.

Na sua opinião, qual é a importância do teatro para a sociedade?                                                                                                                               O teatro é uma atividade única, pois permite expressar muitas ideias, críticas e tomadas de opinião sobre a sociedade e sobre os sentimentos das pessoas, através da arte, e por vezes através da fantasia.

Que significado tem para si trabalhar com jovens?      
Uma aprendizagem contínua e o maior desafio e responsabilidade de todos os desafios em teatro.

Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores?
Experimentem fazer uma aula de teatro.



                                       
Texto e entrevista de: Gabriela Rodrigues, 5ºE, Clube de Jornalismo


Webgrafia
Imagens: https://bit.ly/2ux3RdM ; https://bit.ly/2I12JqP ; https://bit.ly/2WwM6Hx



21 de março: Dia Mundial da Poesia - Dia Mundial da Árvore

                
No dia 21 de março, além do Dia Mundial da Árvore, celebra-se o Dia Mundial da Poesia.
Neste dia, festeja-se a criação livre de ideias nos textos poéticos, recorrendo às palavras, à imaginação e à inovação literária. A data tenciona chamar a atenção para a importância do poder da linguagem e das capacidades criativas de cada um de nós.

A Poesia em Portugal
A Literatura Portuguesa tem vários poetas cuja obra literária é mundialmente conhecida: Fernando Pessoa, o maior poeta português, Luís de Camões, António Nobre, Florbela Espanca, José Régio, Natália Correia, Eugénio de Andrade, Cesário Verde, Miguel Torga e Sophia de Mello Breyner Andersen.

Sugestões de atividades
Neste dia, fazem-se várias atividades por todo o país, sobretudo nas escolas, bibliotecas e espaços culturais, para dar a conhecer ou relembrar os textos poéticos de autores lusófonos. Os jovens usam a sua criatividade e imaginação para escrever ou declamar poemas...
Algumas atividades realizadas nas escolas permitem que os jovens autores revelem os seus talentos. Quem sabe se tu não serás o próximo poeta mais talentoso do mundo?

Trabalho realizado por: Favour Ofoegbu, 5º G e Sofia Fernandes, 5º I, Clube de Jornalismo
Webgrafia: https://bit.ly/2HCttOV


   As árvores e os livros      
  As árvores como os livros têm folhas
   e margens lisas ou recortadas,
   e capas (isto é copas) e capítulos
   de flores e letras de oiro nas lombadas.

   E são histórias de reis, histórias de fadas,
   as mais fantásticas aventuras,
   que se podem ler nas suas páginas,
   no pecíolo, no limbo, nas nervuras.
         
  As florestas são imensas bibliotecas,
  e até há florestas especializadas,
  com faias, bétulas e um letreiro
  a dizer: «Floresta de zonas temperadas».

  É evidente que não podes plantar
  no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
  Para começar a construir uma biblioteca,
  basta um vaso de sardinheiras.

       
  Jorge de Sousa Braga, in Herbário, Assírio & Alvim, 1999


  Fotos: Jornal Moliceiro

21 de março: Dia Mundial da Árvore

                              
     
     O Dia Mundial da Árvore ou da Floresta começou a ser celebrado no dia 10 de Abril de 1872, no estado do Nebraska (EUA). Este dia é comemorado com a intenção de fazer relembrar às pessoas a importância das árvores para o nosso planeta.

     As árvores são muito importantes para o nosso planeta, elas produzem o oxigénio de que precisamos para viver. Mas como é que elas fazem isto?
    
     As árvores, como todas as plantas, puxam a água da terra com as suas raízes, a água é levada às folhas e estas retiram o dióxido de carbono, que é o gás que nós libertamos. Elas também absorvem a luz do sol e com a energia solar realizam um processo chamado “fotossíntese”, que transforma o dióxido de carbono em oxigénio.

    Esta função das plantas é muito importante para a vida do nosso planeta. Sem ela, não sobreviveríamos, mas infelizmente muitas pessoas não querem saber disso e poluem cada vez mais. Os botânicos (pessoas que estudam as plantas) acreditam que é possível que, daqui a alguns anos, haja demasiado lixo na Terra para poder existir vida. 
   
    Procura informar-te para não contribuíres para este desastre ecológico!


Texto: Clara Martinho e Luísa Cruz, 5ºE, Clube de Jornalismo
Fotos: Jornal Moliceiro

Feira de Março: ontem e hoje


Foto 1

A Feira de Março de 2019 realiza-se de 23 de Março a 25 de Abril em Aveiro.
              
    As primeiras festas populares conhecidas pelo nome de “Feira de março” eram chamadas feiras francas, isto é, feiras onde não se pagavam impostos.

      Há 585 anos, em 1434, realizou-se pela primeira vez em Aveiro nos dias 5 e 6 de maio. A partir desses tempos, é realizada nos primeiros dias da primavera. Esta feira constava de comércio, trocas e diversão. Nem todas as coisas que encontramos atualmente encontrávamos na feira franca desses tempos medievais.

Foto 2

     Nas décadas passadas, a feira de março era conhecida por alojar dois circos que passavam 15 dias a trabalhar para tentar fazer o maior espetáculo do mundo. Nessa altura a feira de março era conhecida por causa das suas atrações, como o homem mais alto do mundo, a mulher aranha, entre outros. Antigamente a feira era realizada no Rossio, onde atualmente se realiza a festa de São Gonçalinho.

      A nível nacional, a feira de março é uma das maiores do seu género.


Trabalho realizado por:
Ana Clara Rodrigues, 5ºI; Joana Laranjeira, 5º K; Maria Martins, 5º K e Sofia Rodrigues,5º K, Clube do Jornalismo
 Foto 1, de António Graça: Aspeto de Aveiro nos finais do século XIX, vendo-se o Largo do Rossio, a Feira de março e a Capela de S. João, cuja demolição foi iniciada em 3 de novembro de 1910. Disponível em: https://bit.ly/2TMPaSK
Foto 2, de António Graça (19 de março de 1900): Aspeto da feira da madeira, conhecida por Feira de S. José. A venda da madeira era feita na Rua da Alfândega, à esquerda, e na Rua do Cais, à direita, onde também se veem barracas da Feira de março. Disponível em: https://bit.ly/2Oi8LEn


19 de Março: Dia do Pai



A data de celebração deste dia é a mesma em Portugal, Espanha, Itália, Suíça, Bolívia, Honduras e outros países de tradição católica. Na realidade, este dia coincide com a comemoração de São José, um santo popular da Igreja Católica, que, de acordo com a Bíblia, é marido de Maria e pai de Jesus.

Para explicar a origem do Dia do Pai, existem duas histórias:

   Na Babilónia, no ano 200 a.C, um jovem rapaz de nome Elmesu escreveu numa placa de argila uma mensagem para o pai, desejando-lhe saúde, felicidade e muitos anos de vida.

   Mais recentemente, nos Estados Unidos da América, uma rapariga chamada Sonora Luise (filha de um militar) decidiu criar o Dia do Pai, movida pela admiração que tinha pelo seu pai, Wiliam Jackson Smart. A festa foi ficando conhecida e, em 1972, o Presidente Richard Nixon oficializou esta data como “Dia do Pai”.


Ao contrário do que muitos pensam, as prendas ideais para oferecer ao pai são trabalhos manuais, porque os pais adoram tudo o que é feito pelos filhos a pensar neles. Realmente, esta será uma forma de evitar gastar dinheiro e comprar coisas desnecessárias só porque é Dia do Pai.



Trabalho realizado por: Ana Leonor Pais e Rosalina Braga,5ºI-Clube de Jornalismo

Webgrafia: https://bit.ly/2TIqvOj ; https://bit.ly/2TIqKsH ; https://bit.ly/2JnWlvK 


Saber mais sobre o Carnaval




    O Carnaval é celebrado todos os anos numa terça-feira, 47 dias antes da Páscoa. Este ano o Carnaval foi comemorado no dia 5 de março. Esta data vai dependendo da Páscoa, pois se a Páscoa for mais tarde ou mais cedo, o Carnaval também é.
    No nosso país, o Carnaval não é um feriado oficial.

As origens do Carnaval
    A sua história começa com o povo grego em 600 a 520 a.C. para agradecer aos Deuses pelas boas colheitas do ano. Em 590 d.C., começou a ser comemorado pela igreja católica. O período do carnaval é também conhecido como “adeus à carne”.

Origem da palavra “carnaval”

A palavra “carnaval” vem do latim clássico carnem levare ou carnis levale, que significa na tradução literal “abstenção da carne”, ou seja, “não comer carne”.
No latim medieval, o termo era conhecido como carnelevariumcarnilevaria ou carnilevamen.
Esta palavra foi criada a partir da junção dos termos latinos carnis, que significa “carne”, e o verbo levare, que quer dizer “tirar”, “levar” ou “afastar”.
A explicação para este significado vem do facto de a festa do Carnaval ser sempre comemorada antes da Quaresma, período em que a igreja católica convida as pessoas a não comerem carne.

Na Europa, máscaras e frio para o Carnaval

O Carnaval de Veneza, na Itália, é uma das comemorações mais antigas do mundo e é famoso pela sua sofisticação e clima de mistério, que vem da tradição do uso de belíssimas máscaras. O costume iniciou-se no século XVII quando a nobreza usava as máscaras para se misturar com o povo. O desfile de carros alegóricos, como conhecemos no Brasil, é feito por gôndolas que passam pelos canais da cidade.
Veja a abertura do Carnaval de Veneza deste ano. Clique para ver o vídeo.

São várias as tradições de Carnaval em Portugal. Muitas pessoas mascaram-se com fatos de Carnaval alusivos a uma determinada categoria profissional, personagem de cinema, desenhos animados ou até uma personalidade mediática. As crianças também festejam o Carnaval com trajes coloridos e vestem os fatos no domingo e na terça-feira de Carnaval, em desfiles organizados pelas escolas e por associações de tempos livres.

Os Carnavais mais antigos de Portugal
Em Portugal, a tradição mais antiga do Carnaval ocorre na região de Trás-os-Montes e Alto Douro. A personagem central destas manifestações ancestrais é o CARETO.

O careto é uma personagem mascarada do carnaval de Trás-os-Montes e Alto Douro. É um homem que usa uma máscara, com um nariz saliente, feita de couro, latão ou madeira pintada com cores vivas de amarelo, vermelho ou preto. Numa outra versão, usada em Lazarim, concelho de Lamego, a máscara é feita de madeira de amieiro decorada com chifres e outros apetrechos.

Pensa-se que a tradição dos Caretos tenha raízes célticas, de um período pré-romano. Provavelmente, está relacionada com a existência dos povos Galaicos (Gallaeci) e Brácaros (Bracari) na Galiza e no norte de Portugal.

O careto usa fatos às riscas, com capuz, de cores garridas, feitos de colchas com franjas compridas de  vermelha, verde e amarela. Carrega bandoleiras com campainhas e enfiadas de chocalhos à cintura. Da sua indumentária faz também parte um pau ou cacete.
Os Caretos de Podence (distrito de Bragança) usam máscaras rudimentares, onde sobressai o nariz pontiagudo, feitas de couro, madeira ou de vulgar latão, pintadas de vermelho, preto, amarelo, ou verde. A cor é também um dos atributos mais visíveis das suas vestes: fatos de colchas franjados de lã vermelha, verde e amarela, com enfiadas de chocalhos à cintura e bandoleiras com campainhas. Da sua indumentária, faz também parte um pau que os apoia nas correrias e saltos. A rusticidade do ambiente é indissociável desta figura misteriosa.
Clique aqui para ver um vídeo sobre o Carnaval de Podence.

Trabalho realizado por: Joana Laranjeira, 5ºK, Sofia Rodrigues, 5ºK, e Tiago Roque, 5ºE / Clube de Jornalismo